Mundo Estranho – Setembro 2010

Publicado: outubro 10, 2010 por Mellanye em - Livros

A revista Mundo Estranho do mês de Setembro trouxe, para nós, algo muito mais do que interessante. Confesso que a capa com o Lecter brilhou pra mim na banca em frente a faculdade. Por sorte, um amigo tinha comprado e eu pude ler (sim, ela custa R$8.90 [acho] e eu sou uma universitária quebrada!)

Essa edição traz 11 páginas com um perfil resumido e principais acusações de 14 Serial Killers e mais 12 personagens matadores dos livros e das telas.

Cada um vem com seu respectivo desenho (e não foto), o que me fez amar mais ainda.

Bem, como eu sou legal (?), ta aí o download da revista.
É pelo 4shared, tem 13Mbs, bom proveito :)

MUNDO ESTRANHO-SETEMBRO-2010.RAR

Anúncios

Douglas nasceu em 1948 e era filho de um almirante naval, viveu em mais e 35 países antes de residir na Califórnia. Colocou em si mesmo o apelido de “rei do encontro de uma noite”, pois seduzia facilmente jovens mulheres e menores de idade – sustentava fantasias de estupro, necrofilia, assassinatos, mutilações e outros sadismos, esperava que seu “sonho” pudesse virar realidade.
Aos 37 anos de idade, Carol Bundy era uma “paquera” de Clark, enfermeira formada e diabética, obesa e mãe de duas crianças, deixou seu marido em janeiro de 79; apaixonando-se rapidamente pelo gerente de seu edifício. John Murray (australiano – 45 anos) cantava em um bar durante meio período, Little Neshville, sempre disposto a ajudar os inquilinos necessitados. Bundy sofria de catarata, era uma cega, e legalmente tinha direito a receber 620 dólares mensais pela Previdência Social, conseguiu isso com a ajuda de Murray. Carol começou a forjar problemas em seu apartamento, como entupimento dos ralos e vasos sanitários, apenas para requisitar a presença do homem. Tornaram-se amantes as escondidas, pois Murray era casado e se recusava a abandonar sua família.
Em outubro do mesmo ano, Carol ofereceu 1.500 dólares a esposa de Murray, sem o avisar, pedindo pra que ela sumisse pra sempre, mas a ação não foi bem sucedida; Murray descobriu e pediu friamente para que Bundy se retirasse, procurando outra residência.
Três meses depois do ocorrido, Mary encontra Clarck, cujo se muda pra sua casa na mesma noite e trabalha durante o dia numa sala de caldeira em uma fábrica de sabão de Burbank. Ele devotava suas noites para exercitar sua depravação, e fez de Carol sua escrava virtual. Com o orgulho entre as pernas, Carol era “pau mandado” de Douglas e sob suas ordens, tirava foto das relações sexuais que ele tinha com mulheres mais novas, e ainda assim, ela não se opôs quando Clark trouxe uma garotinha de 11 anos que capturara enquanto praticava patinação no gelo em um parque próximo. Tudo isso era regado a discussões, mortes e mutilação.
Em 11 de junho do mesmo ano, Gina Narano (15) e Cynthia Chandles (16), meia-irmãs, foram encontradas mortas, ambas com um tiro na cabeça ao lado da rodovia Ventura, próximo ao Park Griffith (Los Angeles), as meninas saíram de casa um dia antes para um encontro entre amigos. Clark a essas alturas confessava para Carol sua façanha, havia obrigado as meninas a terem relações sexuais com ele, e as matou quando terminaram.
Treze dias depois, a prostituta Karen Jones, de 24 anos foi encontrada pela manhã atrás de uma casa de carnes em Burbank, com um tiro na cabeça; no mesmo dia, no período da tarde, a polícia foi convocada para comparecer em Studio City, onde outra vítima do sexo feminino foi encontrada por pedestres horrorizados. Apesar de o corpo estar decapitado, a vítima foi reconhecida como Exxie Wilson de 20 anos, outra veterana nos trabalhos de rua. Nessa mesma tarde, enquanto os filhos de Carol estavam fazendo visitas a parentes, Clark a surpreendeu, tirando uma cabeça do congelador, colocando em cima do balcão na cozinha, pedindo para que fosse devidamente maquiada. Cansado da brincadeira, Clark levou a cabeça par ao banheiro e iniciou sua maior diversão: sessões necrofilicas.

“Nos divertimos muito com ela. Eu estava fazendo dela uma Barbie, enchendo-a de maquiagem.” declarou Carol M.

O jornais já anunciavam um novo “Assassino de Sunset” dia 27 de junho, quando encontraram dentro de uma caixa ornamentada, a cabeça de Exxie Winson, num beco em Hollywood. As autoridades se atentaram ao fato da cabeça ter sido limpa e lavada antes de ter sido descartada pelo assassino. Três dias depois, um grupo de caçadores de cobras encontraram o corpo de uma mulher mumificado, perto de Sylmar (vale de São Fernando), este foi identificado como Marnnette Comer, uma fugitiva de Sacramento, que foi vista pela ultima vez em º de junho, mais uma prostituta, esta com 17 anos, e já estava morta a pelo menos três semanas. Como todas as outras vítimas da série de assassinatos, ela também era conhecida por trabalhar em Sunset Strip.
Os assassinatos continuaram. Em 25 de julho a jovem Jane Doe foi encontrada em Sunset Boulevard, morta com um tiro na cabeça. Duas semanas depois, pedestres da área de Fernwood, perto de Malibu, encontraram mais um corpo, desta vez não identificada, com um buraco de bala calibre pequena em sua cabeça.
Apesar do romance com Clark, Carol Bundy continuava encontrando Junh Murray em Little Nashville, onde ele tocava a noite desde que ela o conheceu. Ela não se dava muito bem com bebidas, e spós ingeri-las, acabava deixando escapar alguns segredos criminais de seu parceiro Clark. Ficou amedrontada com comentário de Murray sobre entrar em contato com a polícia e entregar seu novo amante. Em 5 de agosto teve um encontro com Murray e manteve relações sexuais dentro de seu furgão, durante a madrugada, e o matou ali. Dias depois foi encontrado, o cantor foi apunhalado nove vezes, e recortado pelas nádegas, sua cabeça foi cortada e levada da cena do crime pela própria Mary.
Esta foi a gota d’água para Carol. Três dias depois de ter assassinado John ela sucumbiu ao trabalho e chorando comentou com uma amiga “Espera-se que eu salve vidas, não que as tome”, sua amiga informou a polícia e eles convocaram Bundy em casa, confiscando três pares de meias de suas vítimas (que eram tirados como troféus), juntamente com fotos de Clark com sua parceira de apenas 11 anos. Preso no trabalho em Burbank, Clark estava na cadeia quatro dias depois quando a policia recuperou a pistola da sua sala na caldeira. Os testes de balística ligaram esta arma às balas recuperadas de 5 vitimas conhecidas de Sunset.
Em seu julgamento, Clark atuou brevemente como seu advogado, e acusou Carol Bundy e John Murray por assassinato, argumentando que eles tinham padronizado seus crimes de acordo com os crimes de THEODORE BUNDY. Os jurados não se deixaram levar pelo argumento débil apresentado por Clark e em 28 de janeiro de 1983, sentenciaram Clark por seis acusações de assassinato em primeiro grau em “circunstancias especiais”, mais uma acusação de cada uma das tentativas de assassinato, mutilação intencional e restos humanos mutilados. Empertigando-se perante o júri durante a fase de penalidade de seu julgamento, Clark declarou: “Temos de votar pela pena de morte neste caso. A evidência clama por isso.” O grupo concordou com sua lógica, e ele foi sentenciado a morte em 15 de fevereiro. No corredor da morte em San Quentin, ele se encontrou em boa companhia, divertindo-se no jogo de ‘bridge diário’ com os assassinos em série WLLIAM BONI, RANDY KRAFT e LAWRENCE BITTAKER.
Por assassinar John Murray, Carol Bundy alegou insanidade e então reverteu e admitiu os assassinatos. De acordo com sua declaração, Murray foi atingido na cabeça e o decapitou apenas para remover a evidencia da bala. Confessopu TR dado a Clark a arma a qual atirou na prostituta morta em Sunset Strip em julho de 1980. De acordo com as confissões, Bundy recebeu condenação de prisão de 27 anos à perpétua em uma condenação e mais 25 anos à prisão perpétua em outra.