Moses Sithole

Publicado: janeiro 14, 2009 por Mellanye em Moses Sithole

Não sabe-se muito sobre Sithole, apenas que tinha 32 anos e era morador da África do Sul.

Foi condenado a 2.410 anos de prisão em 1997, por ter sido acusado de 38 assassinatos e 40 estupros.r

comentários
  1. Marcos César disse:

    Fonte: http://omundomau.blogspot.com.br/2009/11/moses-sithole.html

    Moses Sithole
    Moses Sithole nasceu em 1964 perto de Boksburg, na então província de Transvaal na África do Sul do apartheid, era um dos cinco filho de Simon e Sophie Sithole. A pobreza na infância foi agravada após a morte de seu pai e sua mãe, Sophie, sendo incapaz de sustentar as crianças, os abandonou em uma estação da polícia local. Eles foram colocados em um orfanato em Kwazulu Natal, mas o abuso sistemático fez com que Sithole quando adolescente fugisse depois de três anos lá, buscando refúgio primeiro com seu irmão mais velho, Patrick, antes de ir trabalhar nas minas de ouro em Joanesburgo. Sithole foi sexualmente precoce, começou muito cedo, mas os relacionamentos tiveram vida curta. Imaginasse que o abandono de sua mãe a seus filhos possa ter desempenhado um papel em suas atitudes agressivas contra mulher. Ele também teria dito a algumas de suas vítimas de estupro que tinha tido experiências ruins nas mãos de uma namorada anterior. Ele era descrito como um homem bonito e charmoso e a maioria de suas vítimas ficavam atraídos com promessas de oportunidades de emprego que nunca se concretizaram e muitas das mortes ocorreriam em plena luz do dia. Sua facilidade de se socializar e seu comportamento inteligente fez tornou suas agressões brutais ainda mais frias, e ele acabou sendo acusado de 38 assassinatos e 40 estupros. Um número significativo de suas vítimas nunca foi identificado. Não se sabe quando Sithole estuprou pela primeira vez, mas sua primeira incidência registrada de estupro ocorreu em setembro de 1987, envolvendo Patrica Khumalo de 29 anos, que testemunhou em seu julgamento de 1996. Três outras vítimas de estupro também testemunharam, incluindo Buyiswa Doris Swakamisa, que foi atacada em fevereiro de 1989. Seu relatório policial que resultou na detenção e julgamento de Sithole, e ele ficou preso na prisão de Boksburg por seis anos, em 1989, por estuprar Swakamisa. Sithole jurou inocência durante o julgamento e foi solto em 1993, por bom comportamento.Talvez Sithole tenha aprendido uma lição no seu tempo na prisão: as vítimas de estupro que permanecessem vivas podiam gerar péssimas conseqüências. Não se sabe quanto tempo após ser solto que ele começou sua série de estupros e assassinatos, mas, no período entre janeiro e abril de 1995, em Atteridgeville, a oeste de Pretória, quatro corpos de jovens mulheres negras, que tinham sido estrangulada e provavelmente estupradas foram descobertos. Esse foi o começo de uma cadeia de eventos que revelou uma série de mortes brutais. Quando os jornais se deram conta das semelhanças no modus operandi das mortes de cada vítima, a polícia foi forçada a admitir que um serial killer podia estar operando na área. Quando o corpo do filho de 2 anos de uma das vítimas anteriores de Sithole foi descoberto, estimulou mais a cobertura da mídia, mas, numa sociedade acostumado com a violência, o interesse era relativamente curto dentro da mídia. No entanto, a descoberta de um grande número de corpos nos arredores de Pretória em geral nos próximos meses, todos com o mesmo padrão de ataque, estupro, mãos amarradas e estrangulamento com a sua própria roupa, deu ao público pouco de nedo. Em 17 de julho de 1995, uma testemunha viu Sithole agindo de forma suspeita, enquanto estava na companhia de uma jovem mulher que depois foi descoberta morta. Infelizmente, a testemunha estava longe demais para ser capaz de identificar o assassino.Uma equipe especial de investigação foi criada para investigar os roubos e assassinatos em Pretória, em um esforço para estabelecer se os corpos encontrados seguiam um mesmo padrão, mas os métodos de ataque variaram de tal forma que era impossível afirmar com certeza que era só um assassino o responsável. Quanto mais vítimas eram identificadas e a cronologia das mortes, mais do que a descoberta de seus corpos, havia evidências de que o assassino estava evoluindo sua técnica de assassinato para extrair maior dor de suas vítimas, aumentando assim seu próprio prazer. Sua forma de abordagem também foi esclarecida, em um número significativo de casos, a vítima tinha tido um encontro com alguém que o prometeu emprego. Em 16 de setembro de 1995, um corpo foi encontrado numa mina perto de Van Dyk Boksburg. Numa investigação posterior foram encontradas valas comuns, peritos forenses recuperaram dez corpos, em diferentes graus de decomposição, nas 48 horas seguintes. Os investigadores estavam certos de que os corpos de Boksburg estavam relacionados com as vítimas em Atteridgeville. A atenção da mídia foi intensa durante toda essa operação, e até mesmo o presidente Nelson Mandela visitou o local das descobertas terríveis. A preocupação pública com o aumento da cobertura da mídia, e as autoridades locais procuraram ajuda externa do agente aposentado do FBI Robert Ressler, que chegou em 23 de setembro de 1995. Ajudou com o desenvolvimento de um perfil do assassino em série, indicando que era um indivíduo inteligente e organizado com um elevado grau de vontade sexual, operando com um sentimento crescente de confiança e talvez com a ajuda de um segundo assassino. Embora o perfil estivesse sido traçado, as investigações no local revelaram que uma das vítimas encontradas, Amelia Rapodile, por último tinha teria ido a uma entrevista com um homem chamado Moses Sithole, em 7 de setembro. Um formulário de solicitação de emprego foi encontrado, em que ela se oferecia a disposição e como uma segunda vítima apresentou uma conexão semelhante à Sithole, a polícia estava confiante de que eles tinham descoberto um provável suspeito. Eles foram incapazes de localizar Sithole, no entanto, que continuou com sua matança, sem perseguição policial e se atenção da mídia, e o corpo de Agnes Mbuli foi descoberto perto de Benoni, em 3 de Outubro de 1995. Nesse mesmo dia, um telefonema foi recebido no jornal “Star”, de um homem que dizia ser o assassino serial. Como ele parecia ter informações que não eram conhecidas do público em geral, a polícia estava começando a acreditar que era Sithole. Uma tentativa de marcar um encontro com ele falhou, porém, mais três corpos foram descobertos ao longo dos próximos 10 dias, forçando a polícia a liberar detalhes de Sithole para a mídia. Com sua perseguição agora no domínio público, Sithole tentou procurar ajuda de membros da família, mas policiais a paisana o interceptaram em 18 de outubro de 1995. Tentando escapar ele foi baleado na perna e no estômago por um policial, e hospitalizado, operado e transferido para o Hospital Militar em Pretória, onde admitiu várias mortes enquanto estava sendo entrevistado por detetives. Ele também negou ter um cúmplice e acreditava que algum “copycat” estava utilizando o seu modus operandi. A alegação da polícia, que ele tinha renunciado ao direito a um advogado, ao fazer a sua confissão, foi posteriormente negada no tribunal. Cinco dias depois, no dia 23 de outubro de 1995, Moses Sithole foi acusado de 29 assassinatos no tribunal de magistrados em Brakpan. Em 3 de novembro de 1995 ele foi transportado para a prisão de Boksburg, onde ele cumpriu sua pena de estupro por dois anos, aguardando julgamento. Durante este tempo, a imprensa afirmou que ele era HIV positivo. Até o momento do julgamento que começou no dia 21 de outubro de 1996, as evidências de acusações contra Sithole aumentaram para 38 acusações de homicídio, 40 acusações de estupro e 6 acusações de roubo. Ele se declarou inocente de todas as acusações. Construir uma imagem cronológica de seus crimes, a acusação apresentou o depoimento angustiante, de suas primeiras vítimas de estupro, detalhando provas nas mãos contra Sithole antes de sua primeira condenação por estupro. Seguiu-se uma análise da sua ligação com cada uma das vítimas assassinadas, com o testemunho sobre as ofertas de emprego alegadas, e as técnicas específicas usadas para atrair suas vítimas para a morte. Sithole parecia frio e sem remorsos nesse momento. Em 3 de dezembro de 1996, a promotoria apresentou um vídeo que tinha sido feito quando Sithole tinha sido baleado e falou com os policiais, na qual Sithole admitiu abertamente ter cometido 29 assassinatos. Ele descrevia sua técnica com detalhes, mas ele alega que começou a matar apenas em julho de 1995, a seleção de suas vítimas era mulheres com alguma semelhança com sua vítima de estupro, Buyiswa Doris Swakamisa, a quem considerava responsável pela sua primeira sentença de prisão. A legalidade de admissão desta fita, gravada ilegalmente em uma cela de prisão, fez o julgamento ser adiado até 29 de janeiro de 1997 e as questões técnicas relacionadas a ele, bem como confissão inicial de Sithole, provocou que o julgamento se arrastasse até 29 Julho de 1997, quando o juiz finalmente determinou que a prova era admissível. A acusação encerrou sua apresentação em 15 de agosto de 1997. A alegação da defesa dependia, em grande parte de negação de Sithole em qualquer envolvimento nos assassinatos, quando ele sentou no banco dos réus seu depoimento foi muitas vezes desconexo e incoerente. Em 4 de dezembro de 1997, mais de um ano após o caso ter começado, Moses Sithole foi considerado culpado em todas as acusações. Levou três horas para a sentença ser lida, como conseqüência a condenação teve de ser adiada para o dia seguinte. Na manhã seguinte, o juiz fez uma declaração afirmando que, levando em conta a natureza abominável dos crimes, ele não teria qualquer hesitação em pronunciar uma sentença de morte a Sithole. Entretanto, a pena de morte na África do Sul havia sido declarada inconstitucional em 1995, então Sithole foi condenado a 2.410 anos de prisão, sem possibilidade de liberdade condicional, pelo menos nos próximos 930 anos. Claramente, a frase significava manter Sithole atrás das grades para o resto de sua vida. Em dezembro de 1994, a polícia prendeu David Selepe e acusou-o do assassinato de 11 mulheres negras que foram encontrados em valas em Cleveland. Selepe posteriormente foi morto em 17 de dezembro de 1994, enquanto a mostrava a cena de um assassinato de uma de suas supostas vítimas. No inquérito de Selepe a polícia alegou que ele atacou um dos detetives com um pau antes de ser baleado. O inquérito concluiu que ninguém poderia ser responsabilizada penalmente. No momento da sua morte, a polícia alegou que Selepe tinha uma ligação positiva a seis das vítimas de estrangulamentos de Cleveland (África do Sul, não Cleveland norte americana). Porém, nada podia confirmar que Selepe era de fato foi o assassino misterioso. No entanto, depois que Moses Sithole se torniu conhecido na África do Sul, ele foi associado a quatro das seis vítimas anteriormente ligadas a Selepe. A viúva de David, Linda Selepe está ainda hoje processando o governo pela morte de seu marido. “Eles mataram a verdade quando mataram o meu marido. Se tivessem levado ao tribunal, em seguida, o público sul-africano teria conhecido a verdade de que David não era um assassino”, ela afirmou.
    Biografia Parte 1 Parte 2 Parte 3 Parte 4 Parte 5

    Os livros Catch me a Killer… e Strangers on the Streets de Mick Pistorius citam esses acontecimentos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s