Daniel Camargo Barbosa

Publicado: maio 29, 2009 por Mellanye em Daniel Camargo Barbosa

Conhecido também como “A Besta dos Andes”, Daniel foi um assassino em série colombiano acusado de matar 72 meninas.

Quando tinha aproximadamente 1 ano de idade, sua mãe morreu. Seu pai, por sua vez, casou com outra mulher, que tinha problemas de fetilidade, isso acarretou mais problemas mentais na mulher que cuidou de Daniel desde pequeno. Ela o vestia de menina, e o fazia frequentar a aula desta maneira. Mesmo nestas condições, Camargo destacou-se, por ser um ótimo aluno no colégio León XIII em Bogotá. Logo menos deixou a escola por pressão da familia, eles necessitavam de ajuda financeira, então o menino foi trabalhar.
Em 1960, Camargo se casaria com Alcira Castillo, onde deixou todos os problemas familiares para trás. Seu casamento acabou (em 1967) após pegar sua mulher com outro homem, a partir desse momento, o ódio que Daniel alimentava pelas mulheres cresceu desenfreadamente – Costumava dizer que o sexo feminino era o maior responsável por todos os males acontecidos em sua vida.
Daniel passou a entorpecer meninas jovens e virgens para então estuprá-las, por raiva. Mas em 1968 a policia conseguiu detê-lo e impor uma pena de 5 anos. Livrou-se da carceragem e acabou voltando pra prisão pelos mesmos motivos, mas desta vez sob uma pena de 25 anos.
Em 1984 ele fugiu da prisão e conseguiu entrar no Equador, um país novo, onde ele não teria antecedentes criminais, era tudo o que ele queria.
Durante cinco meses a população do Equador viveu aterrorizada pela presença de um assassino que despedaçava suas vítimas. Como ele era alguém extremamente cuidadoso, na época era muito dificil encontrarem qualquer pista deixada por ele.
Em junho de 1988 Daniel Barbosa foi preso pelo homicídio de uma menina de 12 anos. Devido a impressões digitais numa embalagem de doces encontrada na cena do crime, conseguiu-se ligá-lo ao crime, tendo-se descoberto que os doces eram engodos para atrair as crianças.
Então surgiu o apelido “Besta dos Andes”, onde estima-se que um número entre 72 e 150 meninas foram mortas por suas crueis mãos.
Durante uma revista de rotina de uma equipe de segurança, eles avistaram um homem estranho no aeroporto, resolveram abordá-lo. Então, pra surpresa da segurança local, ele portava uma mala cheia de peças de roupa sujas com sangue.
Num posterior julgamento, Camargo confessou 71 assassinatos, e então condenado a mais 16 anos de prisão. Ele cumpriu metade da pena, mas foi assassinado na propria cadeia por um suposto “primo” de uma vítima dele.

Curiosidades:
– O livro “Pasajes del Terror – Psicokillers, asesinos sin alma” do ano de 2003, escrito por Juan Antonio Cebrián Zúñiga (Madrid) conta um pouco de sua história.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s