Depoimentos

Publicado: março 20, 2009 por Mellanye em - Depoimentos, Andrei Chikatilo

Aqui, alguns trechos de depoimentos que os matadores davam á policia em seus jugamentos.

Albert Fish: Depoimento contando do assassinato de uma garotinha de 13 anos.
Albert Fish: ” Nós almoçamos. A Grace se sentou em meu colo e me beijou. Eu a levei para uma casa vazia em Westchester a qual eu já tinha escolhido. Quando nós chegamos lá, eu lhe disse que esperasse fora da casa. Eu subi as escadas e tirei toda minha roupa. Eu sabia que se não fizesse isso seu sangue ficaria marcado nelas. Quando tudo estava pronto eu fui para a janela e a chamei. Então eu me escondi no armário até que ela chegasse no quarto. Quando ela me viu nu começou a chorar e tentou correr os degraus da escada. Eu a agarrei, e ela disse que contaria para a mãe dela. Primeiro eu tirei a roupa dela. Ela chutou, mordeu e arranhou. Eu a estrangulei até a morte, então à cortei em pedaços pequenos para que pudesse levar a carne para minha casa. Como era doce e materno a pequena bunda dela tostada no forno. Eu levei nove dias para comer todo o corpo dela. Eu poderia ter estuprado ela, mas não quis. Ela morreu uma virgem .”

Richard Chase: Depoimento sobre como tinha começado a matar as suas vítimas.
Richard Chase: “A primeira pessoa que eu matei foi por acidente… A segunda, algumas pessoas haviam ganho muito dinheiro e eu tive muito ciúmes. Uma vez estava sendo observado por uma senhora, e eu atirei nela com muita raiva. Depois fui para uma outra casa, entrei, e vi uma família inteira reunida. Eu atirei na família inteira matando todos. Mas alguém me viu. Eu acho que era uma menina. Ela chamou a polícia mas eles não conseguiram me localizar.”

Ed Kemper: Depoimento de um psicólogo no julgamento de Kemper.
Psicólogo: “Se eu estivesse tratando este paciente sem ter qualquer história disponível ou sem obter a história dele, pensaria que estava lidando com um homem jovem bem ajustado com iniciativa e grande inteligência e que estava livre de qualquer enfermidade psiquiátrica, no entanto, nós estamos lidando com duas pessoas diferentes (dupla personalidade) um menino de 15 anos de idade que cometeu um assassinato e um homem de 23 anos que nós vemos agora na nossa frente… Em minha opinião ele teve uma resposta excelente aos anos de tratamento e reabilitação e eu não veria nenhuma razão psiquiátrica para considera-lo ser perigoso para qualquer pessoa da sociedade.”

Jeffrey Dahmer: Facínora que inspirou o personagem Hannibal Lecter do filme Silêncio dos Inocentes. Esse trecho conta o que a polícia encontrou em seu apartamento.
Polícia: “A polícia achou no apartamento de Dahmer crânios ainda com cabelos e pedaços de corpos nas estantes e no freezer. Um balde cheio de mãos cortadas. Um dorso na pia de cozinha rasgado aberto do pescoço até o estômago. Um jarro que continha um pênis conservado, um penis cortado pela metade na pia. Outro penis cortado em uma panela de lagostas guardada na geladeira. Mais de 50 latas de lixo guardavam restos de corpos que apodreciam.”

Ottis Toole: Aqui uma parte de um depoimento de Ottis e seu comparsa Henry Lucas.
Ottis Toole: “Como aquele mexicano não queria me deixar sair da casa eu peguei um machado e o piquei todo depois eu o cozinhei e fiz um banquete.”
Henry Lucas: “Eu acho que as mãos que fazem isto, são mãos justas. Eu sei que muitas coisas na visão humana são impossíveis de serem aceitas.”
Ottis Toole: “Quando nós o matamos eu disse que queria comer algumas costelas. Isso me fez um canibal?”
Henry Lucas: “Você não é um canibal. É a força do diabo, algo nós forçou e não podemos mudar. Não há nenhuma razão que nega o que nós nos tornamos. Nós sabemos o que nós somos. Ottis, você sabe tudo o que você diz vai em fita aqui.”
Ottis Toole: “Eu sei… Se lembra como eu gostei de te despejar um pouco de sangue deles?”

Andrei Chikatilo: Depoimento contando como ele se sentia em relação a sua sexualidade.
Andrei Chikatilo: “Olhe que coisa mais inútil. Você pensa que se eu pudesse fazer alguma coisa eu não faria? Eu não sou um homossexual… Eu tenho leite em meus peitos; eu vou dar à luz!”

Peter Kurten: Depoimento contando sobre seu último desejo antes de morrer.
Peter Kurten:
“Depois que minha cabeça for cortada fora, eu aclamarei para que possa ouvir, pelo menos mais um momento, o som de meu próprio sangue esguichando de meu pescoço. Isso seria o prazer para terminar todos os prazeres.”

comentários
  1. Asura A7X disse:

    Caraca que estranho em algumas partes estas descrições me pareceram excitantes…o.O
    muitooo loko…XD

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s